terça-feira, junho 06, 2006

O compositor de "Watchmen"



No seu blog do MySpace, John Powell (compositor de “X-Men: The Last Stand”) garantiu que foi contratado para “Watchmen”, a adaptação cinematográfica da Obra-Prima da BD, criada por Alan Moore com ilustrações de Dave Gibbons. Depois de Paul Greengrass (“The Bourne Supremacy”, “United 93”) ter abandonado o projecto, surgiram rumores sobre o possível comando de Zack Snyder, autor do excelente remake “Dawn of the Dead” (original de George A. Romero), actualmente envolvido na adaptação de outra graphic novel: “300” de Frank Miller. O argumento foi escrito por David Hayter (“X-Men” e “X2”), mas ainda não existe realizador confirmado, elenco, data de início das filmagens e muito menos, data de estreia. O projecto encontra-se sobre a alçada de produtores (Larry Gordon e Lloyd Levin) com a mania que são prodígios da Sétima Arte (existirá outro tipo nesta indústria?), pois até o argumento de Hayter anda a ser retocado pelos endinheirados petulantes. Enfim… só espero que não maculem o estatuto desta magna representante da Nona Arte.
Actualização (07/06/2006): A notícia que dava John Powell como o compositor de serviço já foi desmentida. Aparentemente o blog de Powell no MySpace é uma farsa de um jovem com demasiado tempo livre.

20 Comments:

Blogger RPM said...

nada como a moda chegar e pegar....

bom dia meu amigo Francisco.

Agora só adaptações de BD's?

um abraço grande de amizade e um feliz dia

RPM

10:00 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

É um sinal dos tempos, da ausência de originalidade e dos céleres prazos industriais.

Mas "Watchmen" é na minha modesta opinião a Superior representante do mundo dos quadradinhos. A sua vibração cinematográfica é indesmentível, como fica asseverado na interacção mística dos seus painéis interiores.

Abraço amistoso, caro Rui!

11:11 da manhã  
Blogger nuno said...

boas!

com o film noir também adaptavam livros com desenhos e letras, e também obedeciam a céleres prazos industriais... a grande diferença é que quiseram ficar na história ao criarem um novo código.

talvez seja essa "pequena" questão que descuram muitos dos actuais realizadores.

um abraço

11:23 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

O problema também são as correntes lançadas por produtores, asfixiando a liberdade criativa de um realizador. Atente-se o que os Weinstein fizeram ao trabalho de Terry Gilliam no recente "The Brothers Grimm".

Abraço!

12:07 da tarde  
Blogger André Batista said...

Gostava que fosse o Snyder a realizar! o “Dawn of the Dead” é na minha opinião, um dos melhores remakes dos últimos anos e a adaptação de "300" parece bem prometedora :D Vamos lá ver...

1:46 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Quem eu gostava de ver a tomar conta disto era o Aronofsky. O seu nome já foi em tempos ligado à adaptação e com o seu fascínio pela BD, isto faria todo o sentido. Imagina a melhor BD de sempre a receber a atenção do melhor realizador contemporâneo.

4:44 da tarde  
Blogger André Batista said...

Desculpa lá, mas o Quentin Tarantino ainda está vivo :P

6:13 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

...para prestar reverência ao genial Aronofsky! :P

Agora num tom mais sério. Por muito que goste do Tarantino (e acredita que é mesmo muito), tenho o Aronofsky numa consideração astronomicamente elevada.

6:26 da tarde  
Blogger André Batista said...

Agora imagina a Sofia Coppola a fazer isto (não, por favor, não a deites abaixo!).. just kidding :P

6:35 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Já que pediste... não a deito abaixo. ;)

6:49 da tarde  
Blogger RPM said...

querido amigo!!!

que esta tua pausa Zen, seja estimuladora de muitas realizações positivas....

um abraço grande...já é a terceira vez que te venho visitar à procura de uma palavra...

deixo-te eu um GRANDE abraço Amigo

RPM

3:50 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Hoje coloquei um post mais tarde, mas o descanso efectivo é apenas ao fim-de-semana.

Grande Abraço companheiro.

4:05 da tarde  
Blogger André Batista said...

well, it sucks :S

5:06 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Ainda bem que foi anulado o rumor. Espero que os melhores dos melhores sejam convocados para este projecto.

5:53 da tarde  
Blogger Ricardo Lopes Moura said...

Francisco Mendes, de repente fiquei-te com um pó...
ficaste feliz pelo desmentido, dizendo que queres ver os melhores dos melhores envolvidos no projecto.
fiquei de boca aberta.
antes de mais, espero que estejas a falar de outra coisa qualquer que que não a música de John Powell, sem dúvida nenhuma o mais talentoso de todos os compositores da actualidade. A sua mestria e versatilidade só são comparáveis ao seu talento e sentido harmónico.
Começou por se evidenciar com "Face/Off", cresceu musicalmente ao decidir partilhar com Harry Gregson Williams a composição de "Antz", "Chicken Run" e os dois "Shreks". Mais recentemente, animou "Robots" e "Ice Age 2". Mas é na acção que se tem evidenciado: "Bourne Identity", "Bourne Supremacy", "The Italian Job", "Pluto Nash"
Fez passar para segundo plano nomes fortes como Trevor Rabin ou o seu mentor Hans Zimmer (com quem fez "Chill Factor" e "Road to El Dorado"). E é bem melhor do que os seus competidores mais próximos, Klaus Badelt e Harry Gregson Williams.
Bem, se tavas a falar noutros pormenores da produção tás desculpado.
Um abraço

12:21 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Falava obviamente noutros valores de produção, pois também admiro, q.b., John Powell. Todavia, não subscrevo a tua opinião quando dizes «...sem dúvida nenhuma o mais talentoso de todos os compositores da actualidade».

No topo das minhas preferências encontra-se Howard Shore, Danny Elfman, James Newton Howard e o incontornável John Williams, entre outros.

Abraço!

9:27 da manhã  
Blogger Ricardo Lopes Moura said...

bem, se formos falar em valores contemporâneos, John Powell terá de ficar realmente no topo. John Williams? Bem, é verdade que esteve duplamente candidato este ano, com a Gueixa e o Munique e este segundo não o desmerecia, mas as Memórias da Gueixa era mt mau, new age "pró buxo". Mas confessemos que os 3 novos episódios da guerra das estrelas têm a musica dos antigos qse sem alteração, os dois primeiros park jurassico são muito parecidos, e que desde os anos 90 que não tem nada que nos fique na memória.
o danny elfman não faz nada de novo há imenso tempo, as canções de Corpse Bride têm letras péssimas e reminiscências multiplas ao Nightmare Before Christmas, e sem o seu arranjista fiel (Steve Bartek), a coisa teria muto menos frescura.
Howard Shore e James Newton Howard são apenas paisagistas de som (ao jeito do Badalamenti). Sem as imagens, as suas melodias ficam à nora e são repetitivas.
Um bom compositor tem de saber fazer funcionar a música no filme e em disco.
Mas, claro que o John Powell não me comissiona para elogiá-lo, pelo que tens todo o direito de preferir outras sonoridades.

1:07 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Powell terá de se transcender para atingir o patamar dos nomes que mencionei. Mas lá está... cada um tem as suas escolhas muito próprias.

2:34 da tarde  
Blogger Ricardo Lopes Moura said...

sim, mas o estatuto dos outros foi construído ao longo de décadas, Powell ainda n tem 1 década de composiçoes, ou por aí anda. demos-lhe tempo. Pode desiludir, pode confrmar as premissas.

mas se eu tivese de eleger um compositor, hoje, no topo das suas capacidades, para compôr a banda sonora de um filme que eu realizasse ou produzisse, e pudesse escolher entre todos os compositores vivos e a trabalhar na actualidade, seria ele.

11:50 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Opiniões... cada um tem a sua.

8:52 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

Site Meter