quarta-feira, fevereiro 21, 2007

Simplicidade de cortar a respiração

Certo dia, o lendário argumentista italiano Tonino Guerra pediu a Andrey Tarkovsky a descrição do final de “Stalker”, plano a plano, como se ele fosse cego. O mestre anuiu:

Um grande plano: a filha do Stalker, uma menina doente, segura um livro nas mãos. A cabeça envolta num lenço. Vemo-la de perfil à frente de uma janela. A câmara recua lentamente e apanha uma parte da mesa. A mesa em grande plano coberta por louça suja. Dois copos e um frasco. A menina pousa o livro nos joelhos e repete o que acabou de ler. Fita um dos copos. Sob o poder do seu olhar o copo começa a mover-se em direcção à câmara. Então ela desvia o olhar para o outro copo e também este começa a deslocar-se. Depois olha de novo para o primeiro copo, que já está no meio da mesa, e nós percebemos que ele se move graças à força do seu olhar. O copo cai no chão, mas não se parte. Ouvimos um comboio a passar perto da casa, fazendo um ruído estranho. As paredes da casa abanam, tremem cada vez mais. A câmara volta ao grande plano da menina e assim, com este som, com este ruído, o filme acaba.


8 Comments:

Blogger brain-mixer said...

Quem quer escrever guiões? Assim até parece fácil (mas não é...) :P

10:15 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

É um episódio curioso e belíssimo entre duas personalidades excelsas da Sétima Arte.

11:47 da manhã  
Blogger RPM said...

Bom dia meu amigo francisco....

um abraço de amizade e com as fotos muito simples deste texto a exuberância nos truques, das explosões, do efeito-especial...não são necessários...

lembro-me de dizer, clássico é clássico, intemporal....

abraço de amizade

RPM

11:05 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Sem dúvida: Intemporal!

Abraço caro amigo!

9:50 da manhã  
Blogger cine-asia said...

Por acaso não percebi a cena final de Stalker. Alguém me pode explicar " a menina mover o copo com a mente"?

6:50 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Obtenho diversas opiniões deste final, consoante a época e a disposição na qual o revisito. Cada um poderá formar diversas opiniões (bem plausíveis), e uma das quais poderá ser inserida no contexto espiritual que perpassa o filme. A condição debilitada da filha do Stalker poderá ser fruto das diversas incursões do pai pela Zona, todavia, essas mesmas expedições acabam por lhe atribuir um dom. No fundo, constatamos um ganho espiritual, que é uma das principais temáticas de Tarkovsky.

9:13 da manhã  
Blogger cine-asia said...

Ainda assim achei-o um pouco lento demais e não entendo todo o hype em seu redor...

1:37 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

O que te posso dizer é que no meu humilde parecer, este é um dos exemplos máximos do Cinema enquanto Arte.

Tarkovsky é imenso!!

8:22 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

Site Meter