quarta-feira, junho 06, 2007

Revisitando "Tropical Malady"



«Concedo-te meu Espírito, meu Corpo e minhas Memórias. Cada gota do meu sangue entoa uma melodia. Uma música de Felicidade. Consegues escutá-la?»


Em “Blissfully Yours”, a selva era uma das principais personagens do extraordinário cineasta Apichatpong Weerasethakul. Com “Tropical Malady”, molda novamente um universo assombroso onde a flora emana vibrações mágicas, mas desta feita, a selva é mais reflexiva, reagindo à mente da personagem principal: um homem enamorado, vinculado a outro homem que poderá ser real ou ilusório. Os ritmos do vocabulário cinematográfico de Joe (como prefere ser chamado no Ocidente) desafiam o alcance perceptivo da audiência, expressando poeticamente a qualidade transformadora do Amor, numa intensidade que outro meio não conseguiria alcançar. Nas cenas nocturnas, força-nos a VER no escuro, a esquadrinhar individualmente as imagens que revolvem a nossa mente. As seduções pictóricas geram imagens geminadas de Universos antagónicos, de Homem e Animal, Escuridão e Luz, Amor e Loucura, Realidade e Sonho. É justamente a mutação de quotidiano para mítico que carbura o filme, dilatando os sentidos na absorção desta obra profunda. Uns consideram Weerasethakul mágico. Outros consideram-no hipnotizador. Pessoalmente, coloco-me ao lado dos que o consideram um dos maiores poetas audiovisuais do nosso tempo.

5 Comments:

Anonymous mIGUEL lOURO said...

E para quando a sua estreia em sala(s) portuguesa(s)? A ATALANTA anteriormente o tinha anunciado, mas por agora nem anda, nem desanda (e espero q nao)...

1 ABRAÇO

2:09 da tarde  
Anonymous tf10 said...

Sem dúvida, belíssimo este "Tropical Malady", sobretudo aquela pouco convencional "segunda parte" com uma forte envolvente mistica e que quase sem palavras nos deixa verdadeiramente admirados!
Mesmo assim e apesar de uma estrutura semelhante, achei o seu último filme ainda mais ousado, visual e narrativamente! Uma pequena maravilha!
ja viste? concordas?


grande abraço!

6:31 da tarde  
Blogger VIRTUAL-ROCK said...

Passa pelo Virtual-Rock, pois temos aí novas análises, singles e muito mais. Participa também na Jukebox.

Cumprimentos, virtual-Rock

10:55 da manhã  
Blogger refugee said...

Esta cena faz-me lembrar dois filmes, o Apocalypto e o Apocalypse now. é verdade Francisco vais a algum festival este verão?

2:23 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Miguel Louro: As distribuidoras nacionais movimentam-se de forma enigmática... sim, isto é um eufemismo.

Abraço!

tf10: Infelizmente ainda não vi o "Syndromes...".

Abraço!

Virtual Rock: Aqui fica a publicidade.

Cumprimentos.

Refugee: A partir de hoje, não devo marcar presença em mais nenhum Festival de Música até ao final do ano. Avizinham-se concertos mais intimistas, a começar pelo brilhante Jorge Cruz no aconchego do Passos Manuel.

9:25 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

Site Meter