quarta-feira, novembro 02, 2005

"The 40 Year Old Virgin", de Judd Apatow

Class.:

“They're not fucking toys! This is Ironman, okay?” (Andy Stitzer)

“The 40 Year Old Virgin” é uma comédia sexual sobre perda, literal e figurativa. A sinopse aparenta a fundação de mais uma comédia sexual adolescente, mas ao acrescentarem mais uma geração ao herói, o filme transpõe essa premissa. Não se trata de uma simples colecção de piadas lascivas sobre “facturar” (apesar de existirem algumas), mas do retrato de um homem afável, inocente e solitário em busca de aceitação.

Andy Stitzer (Steve Carell) é um homem de 40 anos, que colecciona bonecos e lê banda desenhada, alguém sem qualquer vida social e que pedala numa bicicleta para o seu emprego numa loja electrónica. Sim, na sociedade contemporânea isto berra aos quatro ventos: TOTÓ! E quando num jogo de poker, ele confessa aos colegas a sua virgindade, estes decidem encaminhar o seu casto camarada para um cenário mais activo… que envolva mulheres e um certo e determinado desflorar.

A beleza do filme é não ser 100% estúpido. Sim, aglomera sensualidade, doçura e lascívia, mas não descamba nos retratos standard do género. Alberga personagens pelas quais ambos os sexos simpatizam quase instantaneamente, interpretadas por actores bem talentosos na arte de gerar um belo ambiente de galhofa.


Os actores secundários fornecem alguns momentos cómicos, mas este é claramente o filme de Steve Carell, um dos melhores ladrões de cenas de sempre. O hilariante pivot de Jon Stewart em “The Daily Show” protagoniza os escassos momentos cómicos de “Bruce Almighty”, rapina um belo quinhão de gargalhadas em “Anchorman” e até em “Bewitched” faz uma perninha, dando um ar da sua graça. Com “The 40 Year Old Virgin” chegou finalmente o momento de brilhar como estrela principal. Estará à altura? E de que maneira! Se a performance de Carell fosse exibida no Louvre, a própria Mona Lisa deixaria de possuir um sorriso enigmático, pois a extremidade dos seus lábios ficaria a roçar nas orelhas e ficaríamos a saber qual o estado da sua dentição, tendo em conta os seus 500 anos.

No papel de Andy Stitzer, Steve Carell dá o definitivo salto de estarola suporte para líder jocoso com perícia e graciosidade. Se Andy Stitzer fosse representado demasiado pacóvio ou ingénuo, pouco haveria para o público se relacionar. Carell ministra o perfeito equilíbrio entre um ser assustado, sensível e com uma libido efervescente. Ele injecta uma profundidade inesperada à sua personagem, porque nunca o apresenta como um falhado, ou como alguém que sente pena de si próprio.

Na primeira metade, a comédia é algo previsível, mas constatamos como Andy não sente vergonha pelos passatempos e estilo de vida escolhidos. O seu único embaraço é o facto de ser virgem, graças às pressões de uma sociedade com uma atitude de sexo sem amor. Aqui é exposta uma crítica à sociedade vigente, onde pressões sexuais surgem em qualquer local, enxovalhando e vitimando cidadãos com imaculadas fundações afectivas, que privilegiem o acto sexual como um momento emblemático de intercâmbio espiritual e amoroso.
Carell e Apatow revelam noções sólidas na arquitectura de piadas e pegam numa premissa que em mãos menos competentes teria a profundidade de uma Bolacha Maria. “The 40 Year Old Virgin” é uma comédia sexual que acasala uma verdadeira ode ao companheirismo e amor da meia-idade. O filme não actua como um virgem acanhado, nem como um adolescente pseudo-garanhão com muita parra e pouca uva. Funciona como um amante libidinoso, que perpetua de forma fervorosa o seu dom pela noite dentro, sussurrando algo inteligente sobre amor na manhã seguinte. Infelizmente assemelha-se tecnicamente a um episódio televisivo, o desfecho é bastante previsível e o seu cariz não é propriamente virgem.

15 Comments:

Anonymous S0LO said...

Uma comédia surpreendente, como aliás já frizei na minha análise :).

P.S -> Aquela piada da Mona Lisa na tua análise está demais xD!

Abraços

10:17 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

:)
Gostei do filme e deu para passar um bom bocado... mas não o considero a melhor comédia do ano.

Abraço!

10:45 da manhã  
Blogger Knoxville said...

Para mim não passou mesmo de uma bolacha maria, mais que batida e que nem mesmo a Mona Lisa, depois de 500 anos sem comer, lhe punha os dentes em cima! Como tal, não iriamos ver o seu estado estomatológico :P

Um abraço Francisco.

12:12 da tarde  
Anonymous André Carita said...

este tenho que ver se o vejo antes que saia do cinema. pode não ser nada do outro mundo mas pelo menos dá para dar grandes gargalhadas e passar um bom bocado isso é que interessa!
Um abraço! :)

12:17 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Knoxville: É sempre bom quando alguém lê o que escrevemos... :P
Abraço!

André Carita: É um óptimo momento relaxante... de preparação para os Big Ones que estão a chegar.
Abraço!

12:58 da tarde  
Blogger Coutinho77 said...

Este é dos que tinha grande interesse em ir ver ao cinema, mas depois de ler umas tantas criticas perdi um bocado o interesse e decidi esperar para o ver em casa.
Abraço!

1:16 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Coutinho: Tenho de admitir que é uma boa decisão. Não é propriamente um colosso para experimentar numa sala de cinema.
Abraço!

2:10 da tarde  
Anonymous André Batista said...

Uma comédia interessante, um pouco parecida com obras anteriores do género, mas também com um lado mais adulto e diferente do que já tinhamos visto - ou seja, metade é inovação, metade é cliché. Portanto também dou ao filme a mesma classificação que lhe deste, 3 estrelinhas. E o Steve Carrel é mesmo um grande comediante :P See ya (e bela análsie !).

2:23 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

O Steve Carell é um portento da comédia. Obrigado pela passagem.

2:31 da tarde  
Blogger Pedro_Ginja said...

Sim foi graças a ele a ultíma que me ri até às lágrimas...
Aquela cena do "Bruce Almighty" em que está a apresentar o Telejornal e o Jim Carey mete a colher foi super hilariante...
Venham mais dessas...

Para quem não sabe o "Virgem aos 40 anos" é campeão do box-office português pela terceira semana consecutiva...
E isso não é para qq um...
Quer dizer que deve ter alguma qualidade...
Ainda não fui ver... Esse em DVD...
Em cinema`existe sempre algo melhor para ir ver...

2:51 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Sim, neste momento existem opções bem mais interessantes.

3:13 da tarde  
Blogger gonn1000 said...

Filme giro para passar o tempo. Vê-se bem, esquece-se ainda mais depressa, mas é bastante aceitável.

12:13 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Neste estamos de acordo.

1:03 da tarde  
Blogger H. said...

Arrependi-me de ter visto este filme no cinema, ida aliás motivada pelas críticas surpreendentementes boas que recebeu nos EUA. "The wedding crashers" levou-me ao cinema plas mesmas razões, a diferença é q esse de facto era uma óptima comédia.
Este filme é lento, caricatural, repetitivo, chega a ser maçudo. Francamente, até o "American Pie" resulta melhor...
Desapontante. Para ver à tarde qdo ñ der melhor na tv. E pco mais...

2:03 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Pessoalmente, abomino "American Pie" e seus desnorteados rebentos... Este "40 Year Old..." é bem inspirado a espaços e a interpretação de Carell é marcante... vê-se bem, mas não marca ninguém...

3:31 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Site Meter