sexta-feira, outubro 07, 2005

“Nochnoi Dozor”, de Timur Bekmambetov

Class:


Salada Russa

A adaptação cinematográfica do primeiro capítulo da trilogia literária fantástica de Sergei Lukyanenko, cujo conceito central assenta no princípio do Maniqueísmo (Doutrina que defende o Bem e o Mal com forças igualmente poderosas), pega em interessantes elementos de horror e fantasia e chafurda-os em diálogos insípidos, patéticas posturas heróicas e efeitos visuais delirantes, mas por vezes improfícuos.

Decorrido numa Moscovo contemporânea, "Nochnoi Dozor" revela a disputa entre as forças da Luz e das Trevas, que teve uma trégua de mil anos. Durante séculos, disfarçados, os Guardiões da Noite vigiaram os membros das Trevas (vampiros e afins), enquanto estes, vigiavam as forças da Luz durante o dia. O destino da humanidade, que depende desse delicado equilíbrio entre o Bem e o Mal, está ameaçado... Uma antiga profecia prevê que um dia surgirá o “Iluminado” para desequilibrar a balança e acabar definitivamente com a Guerra entre a Luz e as Trevas. Esse dia chegou… que lado irá ele escolher?

Tendo em conta que “Nochnoi Dozor” foi filmado com um orçamento de 4 milhões de dólares, o resultado final é visualmente esplendoroso . O menor momento CGI do filme, suplanta qualquer cena de um “Fantastic Four” inteiro. A câmara deambula de elevadas altitudes e distâncias, para níveis microscópicos. É um exemplo criativo sobre como aproveitar ao máximo a disponibilidade financeira.

O filme abrange diversos elementos inspirados em “The Matrix”. Indivíduos percorrendo cidades modernas (com óculos de Sol) e batalhando com criaturas invisíveis ao ser humano comum. Ambos os filmes procuram delinear complexos universos do irreal, partilhando paixão pelos cenários negros e sombrios. Pululam pelo filme interessantes referências cinematográficas, mas as referências pop arreliam, assemelhando-se à tese de final de curso de um desajeitado fã de Tarantino, aludindo ao Nescafé e à Playstation.


Bekmambetov decresce, quando ombreia com os maus hábitos hollywoodescos: música metal inserida a martelo e uma acção atrapalhada, repleta de cortes frenéticos executados à velocidade da luz. Limita-se a sacudir a imagem numa tentativa sofisticada, mas a audiência fica sem qualquer noção do que está a acontecer.

As personagens são interessantes, mas melindrosamente desenvolvidas. A linha que separa as figuras centrais e secundárias é demasiado fina. Konstantin Khabensky (Anton Gorodetsky) oferece uma interpretação magnífica, vagueando atormentado pelo seu passado, pela sua obrigação e pela hipocrisia latente no pacto entre os pólos do poder.

Quando Bekmambetov se preocupa com Anton, acedemos ao caótico desenvolvimento dos eventos. Sentimos de perto o que afecta Anton, a empatia forma-se e o vórtice suga-nos para aquele mundo. Até as criaturas mais bizarras possuem um potencial de ressonância vívida que poderá transcender a premissa. Fica a noção (confirmada com os leitores da obra literária de Lukyanenko) que muitos elementos primordiais do livro são olvidados. Existe muita substância por explorar, mas a mitologia não é desenvolvida, ou seja, imaginem “The Lord Of The Rings” sem explanar o poder e importância do Anel. Ainda existem dois capítulos para a redenção (“Day Watch” e “Dusk Watch”), mas esta introdução funciona como um artificioso, entediante e longo trailer.

Os efeitos especiais são criativos e belos (e algumas imagens ficarão retidas na memória), contudo não geram a perfeita simbiose com o argumento. O sentido de estilo de Bekmambetov revela enorme potencial, mas necessita ser refinado. É um estilo noir que deriva de um David Fincher ou Jean-Pierre Jeunet da era “Delicatessen”, mas sobrepõe-se à substância. O potencial místico é vasto, mas não existe profundidade alegórica. Timur Bekmambetov terá de sair da escuridão da Sombra e começar a imortalizar a sua narrativa com o pensamento focado nos seus protagonistas e nunca na fútil artificialidade pirotécnica que desvanece o enredo à medida que desponta na tela.

26 Comments:

Anonymous André Batista said...

Tenho mesmo que ir ver este 'Os Guardiões da Noite'... see ya

8:59 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Não morri de amores...

9:02 da manhã  
Anonymous JTC said...

Tenho que admitir que não é um filme fácil... Eu próprio adormeci várias vezes (as circunstâncias não ajudaram) nas diversas tentativas de ver o filme, MAS, só pela originalidade e inovação eu dava-lhe 3 estrelas :)

Aliás, só por não ser americano e ter tanta qualidade já devia levar 3 estrelas ;)

9:49 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Existe muita criatividade visual, mas apesar de ser russo o filme decresce imenso quando engloba más influências americanas.

Aliás um facto curioso é a crítica Russa ter sido um pouco demolidora. O filme teve uma óptima máquina promocional, mas os russos detestaram a forma como o realizador denegriu e olvidou os mais importantes elementos do livro.

O filme é um poderoso exercício de estilo, mas falta-lhe qualidade narrativa para fazer jus à potencialidade mística do conto.

10:18 da manhã  
Anonymous André Carita said...

Fiquei surpreendido com a classificação que lhe atribuiste (esperava mais!). Este "Nochnoi Dozor" não era um filme que eu aguardasse ansiosamente, mas muitos amigos meus (des)esperavam ah longos meses! Pelos vistos a espera vai-lhes saber a pouco! :P
Quanto a mim, este é daqueles filmes que, quando chegar a altura, vejo em DVD!
Um abraço! :)

10:55 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Esperava muito, muito mais... apesar de um amigo russo me ter avisado que as potencialidades da história não haviam sido exploradas.

Visualmente é cativante, mas sabes... Romero utiliza fogo de artifício para distrair zombies nos seus filmes. Em "Nochnoi Dozor" Bekmambetov utiliza efeitos especiais muito bem conseguidos, mas explana muito pouco a magia inerente à Obra literária de Lukyanenko.

Abraço André!

11:15 da manhã  
Blogger gonn1000 said...

Parece curioso, vou dar uma espreitadela...

11:43 da manhã  
Blogger Ne-To said...

Talvez seja um filme para ver em DVD... Tarantino falou maravilhas... mas o homem deve é fazer filmes :D

Não sei até que ponto me agrade, até porque tu proprio o dizes que esperavas mais... eu quando vi o poster, fiquei a pensar que iria ser mais um, depois ouvi e li maravilhas e agora têm chegado opinioes menos boas... nem sei o que fazer :D


Cumps

12:24 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

gonn1000: Parecer, parece...

Ne-To: Tal como Tarantino, Danny Boyle também disse maravilhas, mas por vezes andam um pouco enganados... Se pretendes visuais imaginativos e criativos, espreita... se pretendes uma introdução a um universo místico, então prepara-te para um longo trailer...

Cumprimentos.

1:07 da tarde  
Blogger Coutinho77 said...

Simplesmente detestei... Já vi este filme faz um bom tempo e na altura diziam que era uma obra prima de terror russo. Estava eu todo contente uma noite para ver o filme quando de repente pareciam os estudantes de blair witch a filmar aquilo tudo... os tiques com a camera ao inicio pareciam engraçados, quando me apercebi que iam durar o filme todo comecei a ficar com dores de cabeça, além do mais a história está muito mal desenvolvida. Não gostei mesmo nada. Os efeitos especiais estão em algumas fases brutais, mas infelizmente não são eles que fazem o filme, tem de ser tudo junto...
Abraço!

2:42 da tarde  
Blogger brain-mixer said...

Pelo contrário, este foi um daqueles em que adorei o trailer! Mas agora deixaste-me apreensivo... Será um videoclip de 2 horas?

E..... 4 milhões de dólares, disseste tu????! Contenção de despesas, Contenção de despesas! Portugueses, se querem fazer blockbusters, ponham os olhos nestes gajos!

2:47 da tarde  
Blogger brain-mixer said...

Hoje estou para falar: Parece que o teu "The Descent" vai mesmo estrear em Portugal, a 27 de Outubro! Felizardo...

2:51 da tarde  
Anonymous JTC said...

Se há filmes que valem a pena ver em cinema por causa dos efeitos especiais este É um deles. Em DVD perdes metade da magnitude.

Apenas a minha modesta opinião ;)

3:10 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Coutinho: Ora nem mais... um filme é muito mais do que sumptuosos efeitos digitais... mesmo que sejam alcançados com um baixo orçamento.
Abraço!

Brain: É verdade 4,2 milhões. É um longo videoclip com o autor a oscilar a imagem para parecer cool.

"The Descent" está previsto estrear a 27 de Outubro segundo a Castello Lopes, mas já me constou a forte possibilidade de eliminarem a estreia e passá-lo directamente para DVD. Só espero até dia 27... depois arranjo-me noutros locais... if you know what i mean... :)

3:11 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

JTC: Sem dúvida, tal como já disse num comentário anterior, quem pretender visuais imaginativos e criativos, deverá espreitá-lo... mas pouco mais é oferecido.

3:13 da tarde  
Blogger H. said...

terror é um género q regra geral ñ vejo no cinema mas pl trailer este filme pareceu-me algo mais na linha do «matrix», de uma espectacularidade visual incrivel. li algumas boas criticas em revistas d cine estrangeiras e qdo já ponderava seriamente ir ver deparo-me c esta tua análise e...
...
bem, tlx n veja... ate pq ainda quero ver 1º «serenity» e «alice»...

8:52 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

É tudo uma questão de opções ;)

8:55 da tarde  
Blogger rsd said...

não vi o filme, só o trailer. confesso que continuo a ter alguma expectativa: mas estética. é que ao tempo que corre eu já só escolho determinados filmes pelos bons efeitos visuais e outras razões afins.

movidos pela qualidade integral de um filme, saímos contentes de uma sala de cinema não mais de uma dúzia de vezes por ano ;)

10:15 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Infelizmente é verdade... :\

10:41 da manhã  
Blogger membio said...

infelizmente não gostei mesmo, apesar de todo o delírio visual e todo o argumento e desenvolvimento dos personagens algo espalhafatoso pareceu-me que o realizador ainda têm muito para aprender.

3:44 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

A confirmar em "Day Watch" o possível amadurecimento de Bekmambetov... material e actores asseguram-lhe qualidade.

6:35 da tarde  
Blogger brain-mixer said...

Talvz se esteja a guardar para a continuação, como referes?

7:12 da tarde  
Anonymous S0LO said...

Hum...e ao que parece vai ser uma triologia! Não sei se isso será bom :|...

Cumps.

1:43 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Brain: Torço para que seja essa a verdade!

s0lo: Isto é o primeiro capítulo da trilogia literária fantástica de Sergei Lukyanenko.
Cumprimentos

8:46 da tarde  
Blogger Gonçalo Trindade said...

Eu pessoalmente adorei o filme. A história pareceu-me bem estruturada, e visualmente estava espectacular.

Foi um dos melhores filmes de 2005, na minha opinião.

1:13 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

É uma questão de gostos. Eu considerei-o bastante inconsistente, utilizando alguns mecanismos do pior Cinema-pipoca hollywoodesco.

2:07 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home

Site Meter