quarta-feira, julho 13, 2005

"Crash", de Paul Haggis

Class.:

"It's the sense of touch." (Graham Waters)
Certa noite, Graham (Don Cheadle), um detective a caminho de um local de crime, observa a sua companheira e amante latina, Ria (Jennifer Esposito), discutindo com uma mulher asiática que acabou de embater na sua viatura. À medida que insultos raciais crepitam, Graham constata que em Los Angeles as pessoas não se tocam… colidem (crash).

Paul Haggis estreia-se na realização depois da aclamação recebida pelo seu argumento para “Million Dollar Baby” de Clint Eastwood. “Crash” (não confundir com o homónimo de David Cronenberg de 1996) é um drama eloquente, enternecedor, inteligente, inspirador. Classificá-lo como filme racial é uma análise superficial. Não é um simples filme sobre raças, mas também sobre a condição humana, raiva e redenção. Expõe a desconfiança racial gerada pelo 11 de Setembro, mas também funciona como reflexão emocional e apresenta esperança após a ruína anímica.

À medida que as personagens vagueiam numa densa área cinzenta, entre o preto e o branco, a intolerância e a compreensão, subitamente surge o próximo momento de tensão, escondido ao dobrar a esquina.

Paul Haggis utiliza uma estrutura e premissa similar ao sublime “Magnolia” de Paul Thomas Anderson, “Grand Canyon” de Lawrence Kasdan, “Short Cuts” e “Nashville” de Robert Altman e “Thirteen Conversations About One Thing” de Jill Sprecher. As múltiplas histórias gravitando em torno de etnias, recordam igualmente “Traffic”, de Steven Soderbergh (cujas histórias gravitavam em torno do problema da droga).

Haggis alude que graças ao turbulento quotidiano, pessoas aparentemente sadias comportar-se-ão como lunáticas, principalmente quando o racismo, a xenofobia e os insultos manifestam-se em porções superiores à benevolência e generosidade humanas. Ele assusta surpreendendo plateias com personagens credíveis, que nos levam a reconhecer que as nossas expectativas estão assentes em estereótipos.



Apesar de todas as histórias não suportarem um peso idêntico, é de louvar o facto das personagens não serem exibidas como meros santos ou pecadores. O elenco é soberbo e as interpretações formidáveis. Sandra Bullock (Jean Cabot) representa uma insípida mulher, que não aprecia o que tem. É a antítese da sua figura lindinha e querida em Hollywood. A fúria de Thandie Newton (Christine) é arrepiante, Loretta Devine (Shaniqua Johnson) oferece pitadas de humor, Larenz Tate (Peter) e o músico Ludacris (Anthony) ostentam uma maravilhosa química, mas as superiores representações pertencem a Matt Dillon (Ryan) e Don Cheadle (Graham Waters). Dillon sustenta uma personagem complexa e é soberbo ao misturar reacções díspares. Cheadle tem um papel algo restrito, mas os seus olhos reflectem cabalmente dor e indignação.

“Crash” gera um intenso fascínio. Algumas cenas são enérgicas, poderosíssimas e Haggis exibe algum domínio no storytelling visual, mas “Crash” está longe de ser sublime. As lições por vezes são óbvias e algumas cenas são perceptivelmente exageradas. Por vezes parece que estamos perante a visualização de uma telenovela, talvez graças às várias temporadas que Haggis passou como escritor/produtor televisivo (“Walker, Texas Ranger”).

“Crash” confronta-nos com inúmeras questões, mas não oferece as respectivas respostas. As nossas reflexões deverão colidir para alcançarmos um entendimento. O filme procura intersectar várias histórias e como resultado desenvolve menos as personagens e deixa muitos laços por atar. Falta-lhe um pulso firme para ajustar as histórias, falta-lhe equilíbrio e simetria… falta-lhe sensibilidade cinematográfica. A tapeçaria de contos intersectados carece da solidez e consistência de um Paul Thomas Anderson. A película representa uma agradável lufada neste Verão cinematográfico, mas a certa altura tentativas forçadas de manipulação de emoções colidem com clichés banais.

15 Comments:

Blogger André Batista said...

Parece-me ser um filme bastante bom, pelas análises que já li. A tua é muito boa, continua!

10:53 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Obrigado André. O filme é bem razoável, mas não me transcende... longe disso.

11:03 da manhã  
Blogger Pedro Quintino said...

Ainda não tive hipótese de ver este filme, embora já tenha lido algumas críticas positivas, mas que, tal com referiste, apontam não ser algo que trancenda o seu género.

12:48 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Também li muito bem do filme. Fala-se já em nomeação para Óscar de melhor argumento (apoio até ao momento). No entanto este filme é claramente over-rated.

12:58 da tarde  
Blogger Pedro said...

"Colisão", sobrevalorizado? Acho que não, é realmente muito bom. Falta-lhe talvez um toque de génio, mas o argumento (e,a espaços, a realização) é brilhante.

pipocarasca.blogspot.com

1:09 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Esta muito bom o teu blog se quiseres os ultimos filmes para sacar na rede ed2k visita o meu site http://cinefilos-ed2k.pt.vu/

1:18 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Pedro: opiniões... quanto a mim "Crash" é extremamente sobrevalorizado. Razoável sim, mas por vezes descaradamente manipulador.

2:01 da tarde  
Blogger gonn1000 said...

Enganaste-te, a classificação é de 4/5 :P

3:48 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

LOL
Andas um tanto ou quanto equivocado... :P
O filme tem bons momentos de tensão, mas caiste no mesmo erro de Haggis: exageraste!

4:40 da tarde  
Anonymous Vera said...

Não acho que seja uma obra-prima mas é um dos melhores filmes que vi ultimamente. Dava-lhe mais uma estrela mas concordo com todos os aspectos da tua análise.

7:02 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Obrigado Vera.

8:22 da manhã  
Anonymous S0LO said...

Um filme lindo e que nos leva a reflectir sobre certas atitudes que temos.

Cumps. cinéfilos

9:16 da manhã  
Blogger Francisco Mendes said...

Reflecti imenso sobre o que o filme aborda.

10:10 da manhã  
Blogger Cataclismo Cerebral said...

Gostei do Crash, mas acho que o sobrevalorizaram. E ter ganho o Óscar quando um filme coral como o Magnolia ficou a ver navios é demais...

Abraço

6:50 da tarde  
Blogger Francisco Mendes said...

Não amei, nem odiei...

Abraço!

9:44 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

Site Meter